Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

11
Mai16

A polémica do ensino pivado e do ensino público

mudadelinha

Frequentei os dois, gostei dos dois! Aliás, continuo a ser aluna do ensino privado, porque frequento uma universidade privada, mas essa questão já foi relacionada com aspectos diferentes. Até ao 6º ano de escolariedade andei numa escola pública, perto de casa e por questões pessoais e, derivado de alguns problemas escolares que fui tendo, os meus pais optaram por me transferir para um colégio. Quando acabei o 9º ano quis mudar para um escola pública novamente, mudar de ares, conhecer outras pessoas. Acabei por mudar de escola na transicção do 10º para o 11º ano, porque tinha negativa a Geografia, não gostava do professor, o professor não gostava de mim. Gostava de Geografia, sempre gostei de Geografia, mas era a única negativa que constava da minha pauta, da qual também constavam notas relativamente razoáveis. Então, lá decidimos que o melhor seria mudar de escola, para não me prejudicar na preparação para os exames nacionais e, foi o melhor a ser feito.

 

Não percebo esta polémica toda que envolve o ensino privado. Vamos ter noções. O ensino privado é feito para quem tem possibilidades, não é mentira para ninguém pois não? Quam não as tem, ou não as tem tão altas, não pode recorrer ao ensino privado. Mas qual a necessidade de recorrer ao ensino privado quando existe o ensino público? Para mim, a grande e única diferença consiste no acompanhamento que os professores e os não docentes  conseguem com os alunos no ensino privado. As crianças são muito mais acompanhadas, quer a nível escolar, como a nível pessoal. São muito mais rigídos com os trabalhos de casa, com os programas das disciplinas, com os trabalhos feitos em aula. Há mais auxiliares nos recreios e há mais vigilância e, derivado disso existem mais regras a respeitar-se.

No ensino público tal não acontece, até porque o número de alunos é muito superior. O acompanhamento não é o mesmo e a vigilância também não. Falo mesmo por experiência própria. Mas os métodos são os mesmo, um bom professor no ensino público, também o é no ensino privado e vice-versa. Se tivermos de ter um mau professor, temo-lo no ensino público como no ensino privado. A minha professora de Matemática do 9º ano, no colégio onde andei, não sabia aquilo de que falava, além das tipícas preferências pelos melhores alunos da turma e, esquecia-se dos outros, que só por acaso também eram alunos.

 

Por isso, termos as nossas crianças, digo nossas apesar de não ter filhos, no ensino público ou no ensino privado, não é a mesma coisa, mas não é tão diferente quanto isso. Esta minha opinião já está formada à muito tempo, mas hoje no caminho da faculdade para casa, vinha a ouvir atentamente as notícias na rádio (já não me recordo se era na RFM ou na Comercial) e numa reportagem o líder-parlamentar do PSD mostrava-se muito revoltado porque os cortes no ensino privado só iriam prejudicar as famílias pobres. Foram estas as palavras dele.

7 mudardelinha

Comentar