Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

11
Abr17

desabafos

mudadelinha

Já começei a escrever este post no domingo ou sábado á noite, mas por alguma razão o meu computador decidiu crashar e não guardar aquilo que estava a escrever e fiquei mesmo chateada por causa disso, tanto que decidi desligá-lo e não voltar a pegar nele.

Tenho-me vindo a queixar por estes lados do meu cansaço e coisas parecidas, mas verdade seja dita, queixo-me de barriga cheia, porque nunca me faltou trabalho, só não na minha área ou perto dela, mas isso já são outros quinhentos!

Este fim-de-semana foi de loucos, mas também só o foi porque eu quis e que aguentei lá isso aguentei, estou aqui firminha da vida, depois de uma semana intensa de trabalho, de trabalhos para entregar do mestrado e, coisas afins. Trabalho desde cedo, começei a trabalhar tinha 15/16 anos (não me lembro bem), e lembro-me que começei a trabalhar no bar onde ainda trabalho, porque queria muito pagar a minha carta de condução. E então lá fui, juntar uns trocos para pagar a minha carta de condução, mas na altura propuseram-me ficar lá a fazer os fins-de-semanas, e como era só ao sábado á noite, não tive problemas em aceitar. Entrava na faculdade naquele ano e o dinheiro que viesse, por pouco que fosse, dava jeito para alguma coisa. Paguei sempre o passe dos transportes públicos e tentei sempre comprar os livros que precisava, e pagar a minha alimentação. E, ainda sobrava dinheiro para algum capricho, como umas sapatilhas ou alguma roupa, E ainda sobrava dinheiro para dar á minha mãe. Ainda estou lá, já trabalhei noutros sitios, já procurei outras coisas, já experimentei outras quantas, mas fui ficando sempre lá.

Este fim-de-semana ligaram-me na sexta-feira para eu ir trabalhar sábado e domingo, e como estou de férias, também não tive problemas em aceitar. Mas, no entretanto, ligou-me um dos meus melhores amigos, a pedir-me para ir trabalhar com ele no sabádo à noite que estava mesmo aflito, porque a rapariga que costuma ir não podia por alguma razão. Não gosto de falhar com ninguém, até porque nunca falhou comigo e, sempre que precisei ele lá estava. Então lá fui. No sabádo trabalhei das 9h ás 17h num sitío e, ás 18h estava noutro sitio, de onde saí perto das 2h, para no domingo ir trabalhar ás 9h.

Se me custou? Ai custou e não foi pouco, tenho estado a trabalhar a semana toda e não estou pouco cansada, estou mesmo muito cansada,os meus pés, as minhas costas e os meus ombros estão a total desgraça, e a minha sorte vai sendo que o L. é fiseoterapeuta e vai-me fazendo uns tratamentos esporádicos!

No sabádo á tarde, em conversa com o L. por telémovel, ele perguntou como eu estava e eu disse-lhe que estava triste, e estava mesmo triste! E estou ainda! Porque no fim ninguém tem uma pontinha em nada daquilo que eu faço, ou no meu esforço e na minha dedicação. Não é que eu faça isto ou aquilo para ouvir boas palavras, mas principalmente da minha mãe e da minha familia é, supostamente, o esperado. Mas não. Nunca acontece. Já fiquei mais triste, agora já é previsivel, mas é sempre revoltante. O que o L. me disse foi muito simples, "Eu estou aqui, é só o que interesse, e eu tenho muito orgulho em ti e sei o quanto estás cansada, por isso acalma-te e quando saires passa por aqui para eu te dar um beijio!". Soube bem ouvir aquilo, soube pelo mundo todo aliás.

E sabem porque é que tenho trabalhado tanto? Porque quero comprar um carro, é o meu primeiro objetivo. Quero um carro para mim, para não depender de ninguém. A minha mãe sempre prometeu oferecer-me um carro quando acabasse a licenciatura, mas não me parece que esteja com ideias disso. A minha irmã, que é mais nova que eu, está agora a tirar a carta e eles falam em comprar um carro, mas não é para mim, é para as duas, como se eu fosse dividir um carro com a minha irmã, tendo em conta que temos vidas completamente separadas. E fico triste,com isso é fico mesmo triste, porque relembro, até hoje sempre dei dinheiro em minha casa, SEMPRE, sem me pedirem nada, sem mo exigirem, eu sempre o dei e, no fim... não recebo nada, nem uma palavra de apoio por todo o meu esforço e dedicação!

 

Boa semana e um beijinho