Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

06
Mai16

Follow Friday

mudadelinha

Descobri o blog à pouquissimo tempo, até ter visto uma referência na revista Nova Gente. Descobri-o por estas bandas, mas foi um arrepio imediato na espinha mal li o primeiro texto. E, posso-vos dizer naquele diz não consegui ler mais nenhum, só mais tarde é que lá voltei. É uma história relativamente conhecida do público, como muitas outras, mas ler o relato do sofrimento, da angústia, da dor e da saudade é só arrepiante. É um exemplo para mim e, acredito que para muitas outras pessoas, num situação parecida ou não, porque não é preciso estar numa situação parecida para nos apertar o coração a cada palavra. Então, sem mais demoras, o blog é '... Até á lua' de Marlene Barreto Brazão, onde conta a sua história com o seu herói Paulo Nuno Frazão.

 

Não sei se conhecem, mas se não conhecem, é emocionante.

 

"Precisava da tua calma, pois ando demasiadamente agitada. Daquele teu ombro que milhares de vezes me acalmou e me deu força para encarar … Que falta me faz tudo isso! 
Tão diferentes que nós éramos… que nós somos, mas tão iguais naquilo que sentimos. Só consigo dizer-te neste momento, que te amei muito (sempre to disse) e que continuo a amar-te por demais. Sei que sempre o soubeste, não há nada de novo nisso (certo?),  com o acréscimo que as saudades doem demais, fazem sofrer e não deixam sentir o sorriso na plenitude:(
Diariamente, vejo-te, olho para ti, sinto o brilho do teu olhar ( e não tenho vergonha em admiti-lo)… mas sinto falta da fisicalidade. Ela era essencial. Tiraram-te de mim depressa demais… e isso não é fácil perdoar. 
 
até à lua meu super-herói. 
A  tua "gordinha" cá estará para te recordar e nunca te deixar morrer. 
 
Marlene Barreto Frazão "