Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

25
Dez17

Para 2018

mudadelinha

O ano que está a acabar trouxe-me muitas coisas boas, o balanço é muito positivo, e por isso levo muito dele para 2018. Mas, para 2018 tenho mais objetivos, que espero que sejam cumpridos. 2017 ensinou-me (quase que me forçou vá!) a olhar para a vida de forma diferente. Isso já vinha de anos anteriores, mas cresci muito em 2017.

Desta forma, os meus objetivos, pessoais e materiais (aqueles objetivos materiais que nos influenciam a nível pessoal) para 2018:

  • O L. Conseguimos muito em 2017, através do diálogo, da cumplicidade, dos olhares que se cruzam e dizem tudo, dos abraços e dos mimos que se oferecem sem se pedir nada em troca. Ultrupassamos alguns obstáculos, sobretudo, relacionado com familia e, sempre através do diálogo, o que espero que continue em 2018. Começamos a pensar em poupar, pensamos juntos em soluções para isso, porque não é fácil e começamos, novamente, juntos, a fazê-lo, para alguma coisa nossa que não sabemos, concretamente, o quê mas alguma deve ser. A ideia passa por termos um mealheiro, por mais pequeno que seja, para o futuro. A ideia inicial seria para férias, mas não sabemos se o será, porque a ideia era ser uma poupança mais a longo prazo. Numa primeira fase, decidimos ter uma caixinha (a dele é mesmo um mealheiro) os dois, nos nossos quartos, onde sempre que podemos colocamos trocos. Cada um faz a sua gestão e quando vamos um a casa do outro pomos na caixinha um do outro, porque depois juntamos tudo noutro potezinho. Pode parecer pouco, na verdade não é muito, mas é um inicio e o L. comprou um carro recentemente (o ano passado) pelo que não se quer arriscar muito por enquanto, porque tem os objetivos dele quanto ao pagamento do carro e isso está em primeiro lugar. Inicialmente, só tínhamos o mealheiro em casa dele, mas como raramente ia lá, acabamos por perceber que seria melhor ter o meu, se não a fatia maior seria sempre dele. Tenho-vos a dizer que começamos em finais de setembro, quando chegamos de férias, e no espaço de 1 mês e meio, contamos a primeira vez em finais de outubro/inicio de novembro, conseguimos 80€, o que achamos que era muito bom, para o lapso temporal que foi. Quando falamos a primeira vez nisto, pensamos abrir um conta bancária os dois. A ideia acabou por não se concretizar porque temos os dois despesas todos os meses, ele com o carro e eu com livros e faculdade, então optamos por fazê-lo mais tarde, até porque eu ainda não tenho qualquer tipo de rendimento, o que tornaria a ideia mais complicada. Mas, andamos felizes com esta poupança bébé, que não sabemos para o que será, mas será para algo nosso, o que me deixa de coração cheiro. Combinarmos contar a próxima vez dia 31 ou dia 1 para começarmos bem o ano.
  • A poupança não foi só em conjunto, foi minha também. Tenho feito um grande esforço para me controlar nas minhas compras estúpidas e banais. Nunca fui de gastar muito dinheiro, mas há aquelas coisas que compro só por comprar, porque gosto, me faz sentir bem, mas depois tem consequências quando vejo o dinheiro que tenho. Entre essas coisas: compro sem pensar material escolar (canetas, post-its, marcadores, sublinhadores, cadernos, blocos de notas, capas e capinhas, folhas pautadas, blocos de folhas brancos, etc.) e são coisas que estou sempre a usar e que gasto imenso, principalmente, post-its, marcadores e sublinhadores, mas tenho de me controlar, porque não preciso estar sempre a comprar. Tenho de aprender a gastar o que tenho e só quando precisar mesmo é que vou comprar; Vernizes, tenho imensos vernizes em casa e não preciso, porque não dou uso a metade deles, uns estragam por estarem tanto tempo sem ser abertos e outros secam, e acabo por usar sempre os mesmos, porque são os que mais gosto e os que me duram mais tempo. Apesar de ultimamente não ter gasto tanto em vernizes, tenho noção que tenho muitos e que já gastei muito dinheiro em vernizes sem qualquer tipo de necessidade. Vou tentar acabar com todos e só depois repor o stock; Livros, tenho uma biblioteca gigante, que até vos digo quantos livros tenho, porque andei a fazer uma lista: 156 (excluindo os de direito, porque se não seriam perto de 400!). É um coisa que compro sem pensar porque gosto. Posso passar imenso tempo sem ler, mas se passar nalgum sitio e vir um livro a um bom preço compro sem demais. Por essa mesma razão e como acho que tenho livros que cheguem para ler nos próximos anos, vou tentar só comprar em último recurso: uma promoção muitíssimo boa, um preço chorudo, um livro que quero há mais de 4/5 meses (ou mais!). Além disso, vou tentar seguir sempre a minha lista, ter os 4 ou 5 livros que quero mesmo comprar e andar a vigiar os preços, as promoções, para os conseguir apanhar ao melhor preço. Quando falo nesta soluções são soluções também para os meus livros de direito. Entre muitas outras coisas, estas são aquelas três coisas que gasto fortunas, que posso controlar e que se controlar vou poupar muito. Entretanto, abri uma conta poupança, apesar de estar na incerteza, porque acho que devia ter esperado mais algum tempo, estou a tentar mantê-la, porque se conseguir fazer melhor. 
  • Como estou a estagiar e não é remunerado, vou procurando sempre trabalhar. Tenho arranjado alguns part-times, algumas promoções/ações, inscrevi-me nalgumas agências de promoções, e assim sempre consigo alguma ajuda, se não seria impossível poupar alguma coisa. 
  • O estágio é no Porto e não sou de perto, pelo que costumo ir de transportes ou de carro. A despesa é muito maior se for de carro, enquanto de transportes gasto menos de 5€, de carro gasto 10€ todos os dias, e o conforto é exatamente igual, porque demoro mais tempo de carro, por causa do trânsito, do que de metro. Tenho tentado ir sempre de transportes e só quando preciso de transportar muitas coisas, ou quando vou mais pesada por alguma razão, lá peço o carro aos meus pais. 
  • A marmita. Já falei disso aqui e a verdade é que se poupa uns trocos valentes. Não só levo só a refeição, mas levo o lanche todo. Prefiro ir ao supermercado e comprar uns pacotes de bolachas, pãezinhos de leite, sumos, iogurtes, fruta, barrinhas de cereais, do que ir a um café comprar alguma coisa que só me faz mal. Assim, sempre que tenho fome tenho ali alguma coisa para comer. Por acaso nesse aspeto tenho sorte, no escritório onde estou temos um pequena kitchenette e temos um microondas e uma chaleira elétrica, onde podemos fazer chá, café, cevada, chocolate quente. Não temos isso definido, mas vamos levando à vez cada coisinha. Esta é daquelas coisas que não prescindo por nada, que só me faz bem, quer à saúde, quer aos bolsos e que vai continuar em 2018.
  • Em 2018, quero fazer uma revisão ao meu armário. Preciso comprar algumas peças de roupa, principalmente, calças e blusas para a primavera/verão e camisolas quentes e calças para o inverno. Com o calçado vou tentar sobreviver, havia só uma coisa ou outra que precisava mesmo comprar, mas é para a estação da primavera e do verão, porque não tenho grande calçado para ir trabalhar. Estou a pensar nos sados tomar conta dessa ocorrência, pode ser que apanhe alguma pechincha. Mas, fora essas necessidades, vou tentar comprar só o extremamente necessário para ir trabalhar, nada de exageros.
  • Para 2018, espero ler mais. Não vou estabelecer um número de livros, porque já sei que não o vou cumprir. Sou extremamente preguiçosa e deixo o cansaço tomar conta do meu corpo e ando meses a ler o mesmo livro.
  • Para 2018 espero levar o mesmo foco, dedicação e esforço que 2017 me ensinou a ter. O mesmo gosto por mim, pelo que faço, pelo que estudo. A mesma auto-estima que custou a chegar mas chegou. 
  • Além disso, no próximo ano não pretendo ter perto de mim quem não me deseja bem, quem não transmite energias positivas. Também levo isso de 2017. Como já disse, prefiro não ter essas pessoas perto de mim, não temos de fazer fretes, ou fingir que gostamos e nos damos bem. Prefiro não ter amigos, do que achar que os tenho e não o serem. O L. não concorda muito comigo nisso, porque ele dá-se bem com toda a gente, cumprimenta todos os conhecidos que passam, gosta de toda a gente, sabe que nem todos gostam dele, mas é muito mais descontraído do que eu nesse aspeto. Eu não gosto de ter pessoas perto de mim que não me desejam bem, que dizem que sim, mas que transparecem exatamente o contrário. 
  • Por outro lado, que 2018 me mantenha pertinho das pessoas de quem gosto e que gostam de mim. Que traga bons momentos, gargalhadas e muitos sorrisos. 
  • Para 2018, espero que as minhas relações familiares se tornem mais claras. Pode parecer estranho, mas acho que já referi aqui mais que uma vez, a minha relação com a minha familia nem sempre é melhor. E eu prezo imenso o valor familiar e, por isso, tentei nunca me desligar, uma vez que vivemos todos juntos, uns dias damo-nos bem, outros não, umas horas rimo-nos, nas outras discutimo-nos. Mas, devido a muitas atitudes, que me magoaram imenso, involuntariamente, desliguei-me. Sei que a minha mãe é só minha mãe, não posso contar com ela para me abraçar quando preciso porque ela não o faz, não posso contar com boas palavras nos maus momentos, porque ela não sabe o que dizer e só faz pior. Sei que nunca vou ter na minha mãe uma amiga porque ela nunca o foi. Há algum tempo li que grande parte das mães têm de saber separar o ser mãe de serem amigas e acho que a minha aprendeu isso muito bem. Mas, espero que 2018 nos traga paz e amor. Se por um lado, acho que nunca vamos ser aquela familia feliz e unida, por outro espero que o novo ano nos traga serenidade, saúde e, principalmente, que nos traga paz, porque já estou farta de discussões.
  • Em 2018, vou continuar a lutar pelos meus sonhos, como fiz em 2017. Pela minha vida, pelo meu sucesso pela minha independência, por mim. 

 

Estas são as minhas resoluções para 2018, os meus desejos, pode faltar uma ou outra que, talvez, não me tenha lembrado e só me lembre mais tarde. 

E vocês que desejam para 2018?

0993ef7ed4b8af3df18acc21f5f41cba.jpg

(esta imagem é retirada da internet)

 

É tão isto. 

Continuação de uma bom natal.

 

 

 

 

Sigam-me noutro sítio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D