Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

30
Mai18

Sonhos

mudadelinha

Sempre sonhei muito durante os meus sonos e adorava saber interpretar sonhos, às vezes é cada um melhor que o outro. Acordo sobressaltada, ando dias a pensar naquilo e não sei o seu significado. Grande parte das vezes a minha mãe diz-me para ter calma, que herdei isso dela, e que há sonhos maus, mas que também há sonhos bons. Em quase todos os meus sonhos entram sempre as mesmas pessoas, mas há uma que está sempre lá: o meu avô. Eu acho que os sonhos são avisos e muitas vezes refletem as minhas preocupações.

30
Mai18

As fases da arrumação

mudadelinha

Comecei esta fase no inicio do ano e nunca, mas nunca mesmo, pensei que o fosse conseguir, porque sempre fui muito apegada a tudo, a todas as lembranças, a todos os papeizinhos, coleções que tinha, e a toda a tralha que tinha acumulado ao longo de todos estes anos. A verdade é que me tenho sentido muito mais leve, muito mais calma e tranquila, quando penso que todas essas recordações, memórias, papéis, caixas e afins, estão no lixo, e as importantes estão guardadas na minha memória e no meu coração.

Quando comecei esta grande arrumação, comecei pelas minhas estantes, pelos meus livros, pelas caixas enormes que tinha de papéis, e logo nessa primeira fase consegui estabelecer a linha do que me era essencial e do que não era. Fiquei apenas com as coisas da faculdade, voltei a separar tudo em capas, com o nome de cada disciplina, e deixei tudo à mão. Tudo o resto foi para o lixo e digo-vos que não foi pouco, foram sacos e sacos de lixo, e algumas caixas também. Quando olhei para as minhas estantes e para a minha escrivaninha, não parecia a mesma, mas senti que metade da minha vida tinha sido arrumada e organizada ali, no meio de todo aquele lixo.

Nos entretantos, já consegui arrumar a maquilhagem, os perfumes, as malas, bijuteria e, a parte mais difícil, a roupa. A roupa foi o que mais me custou, porque tenho sempre a ideia que daqui a uns anos posso usar aquela peça, que ainda gosto dela. Tentei afastar estes pensamentos e consegui fazer montes de roupa, que acumulava há anos e que não vou usar mais.

Esta arrumação a que me permiti trouxe-me muita coisa que pensei que nunca iria conseguir. Além de não ser apenas um destralhe material trouxe-me a possibilidade de ver que não precisamos dessas coisas para nada, e que metade do que acumulava há anos me trazia felicidade, bem pelo contrário. Ao conseguir perceber isso, sinto-me numa fase muito mais tranquila e calma, principalmente porque sinto que depois de ter conseguido isso vou conseguir tudo o resto, tudo a seu tempo é possível.

Depois de ter arrumado quase tudo, de ter imenso espaço livre, de apenas ter ficado com o essencial, de conseguir encontrar tudo quando preciso, espero não voltar a acumular e a seguir rigorosamente as regras que estabeleci: não comprar sem necessidade e em consequência comprar apenas o que preciso, acabar com tudo o que tenho e só depois comprar, usar aquilo que tenho e dar utilidade a tudo, manter tudo arrumado ou mais ao menos arrumado, e conseguir fazer duas ou três grandes arrumações por ano. Fazer listas tem sido a melhor coisa, mas também refletir bem sobre elas é importante. 

 

 Nunca pensei ser capaz, acho que ninguém pensou que o fosse sinceramente, mas fui. 

E quando olho para o meu novo espaço sinto-me feliz. Agora é só manter e continuar.

29
Mai18

13 reasons why

mudadelinha

Esta publicação tem spoilers, pelo que se não querem saber, não leiam até verem a série.

 

Já o tinha dito por aqui que achei “13 reasons why” um pequeno murro no estômago. Vi a primeira temporada passado pouco tempo de a série ter sido lançado e não fazia ideia de que ia existir uma segunda temporada. Considerei a série espetacular e fora do comum, por abordar temas difíceis, pelo desfecho da série, mas também pelo crescimento das personagens. São poucas as séries que me fazem criar um sentimento de amor-ódio pelas personagens e esta foi uma delas. Até aqui só Anatomia de Grey o tinha conseguido e pela mistura destes sentimentos não tenho, nem nunca tive, uma personagem preferida nesta série, porque cada temporada, cada episódio que via, faz-me ter um carinho diferente por cada um. Exemplo disso é a personagem principal Meredith Grey, nunca soube se gostava ou não dela. A verdade é que foi uma personagem criou respeito ao longo da série, e é nesse patamar que ela está neste momento.

Adorei a primeira temporada de 13 reasons why e por mim a série tinha ficado por ali, não havia muito mais a contar, mas decidi dar uma oportunidade à segunda temporada. Comecei há poucos dias e já a acabei. A minha mente não pensava em mais nada nos últimos dias, principalmente depois de descobrir o romance entre Zach e Hannah. Devorei a série até perceber que já só me faltava o último episódio.

A série faz-nos pensar num conjunto de problemas que afetam a nossa sociedade e enganem-se se acham que estes problemas são típicos da América e dos Estados Unidos. Estes problemas afetam qualquer comunidade estudantil, seja nos Estados Unidos, no Brasil, na Bélgica ou em Portugal. Claro que devem ser todos abordados de forma diferente e concreta, mas ao ver esta série apercebo-me que ainda há muitos assuntos tabus e que se evita determinados assuntos e temas por, simplesmente, não se querer falar deles, ou por acharmos que eles não existem ou que são uma realidade distante.

Voltando à série, gostei imenso da série, tenho noção que é uma série chocante, principalmente a segunda temporada, tem partes que simplesmente passei à frente sou sincera, por não conseguir ver. Mas apreciei a forma como trouxeram histórias novas à série e como conseguiram estabelecer um contraditório entre as personagens. Se na primeira temporada acabamos com uma ideia, com um sentimento de revolta, na segunda temporada coloca-se a dúvida se realmente tudo se passou daquela forma, ou se há determinadas situações que foram omitidas, e são muitas dessas omissões que são descobertas e contadas.

 

This quote from the much-talked-about Netflix series '13 Reasons Why' reminds us just how far we have to go as a society.

(esta imagem foi retirada daqui)

 

Foi uma das séries de 2018 tenho a certeza.

Já viram?

 

28
Mai18

A minha vida tem música à segunda-feira (parte 20)

mudadelinha

A música que partilho hoje fazia parte da banda sonora do filme do Homem-Aranha e eu era pequena quando vi esse filme, não sei precisar bem a idade que tinha quando fui ver esse filme ao cinema com os meus pais, por isso é uma música bem antiga. Como muitas outras músicas, esta persegue-me desde então, é uma das músicas da minha adolescência. Sempre que faço uma limpeza às minhas pastas de música sou incapaz de a eliminar, porque a verdade é uma ouço-a todos os dias e adoro-a.

 

 

Pág. 1/5

Sigam-me noutro sítio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D