Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

09
Abr18

Em 2017 ultrapassei um dos meus maiores medos

mudadelinha

Sempre tive muito medo de ir ao dentista, desde miúda, e se calhar nunca tive uma boa experiência. Ganhei este medo quando tinha os meus 10/11 anos e sempre que me falavam numa ida ao dentista esperneava que não queria ir, mas lá era forçada a ir pelos meus pais e que remédio o meu. Também nunca tive muitos problemas dentários, então achei sempre desnecessário estarem a incomodar-me com uma ida ao dentista. Ao contrário da minha irmã que precisou de usar aparelho, eu nunca precisei, sempre tive a boca e os dentes direitos.

Desde que tive um acidente de carro, o airbag abriu-se basicamente em cima da minha cara, e juntamente com o plástico do carro, o resultado não foi muito bonito. Logo na altura desgracei dois dentes e fiquei com as gengivas todas afetadas. Os médicos no hospital aconselharam-me logo a ser seguida por um dentista e se fosse o meu melhor claro, porque podia ter problemas mais graves dali para a frente.

Deixei a coisa andar, meia volta ligava à dentista a marcar uma consulta, mas acabava sempre por arranjar uma desculpa para não ir. Podia até aproveitar as oportunidades em que a minha irmã ia a consultas por causa do aparelho dentário, mas não, nem isso consegui fazer. Deixei a situação chegar a um ponto grave, porque nos últimos tempos já me estava a causar mesmo muitas dores, algumas noites em branco e a injeção de não-sei-quantos analgésicos.

A chegar o fim de 2017 decidi que já chegava de tanta preguiça e de tanto pânico, estava a colocar a minha saúde em perigo, e já não estava a conseguir lidar com tantas dores diárias nos dentes. Lá falei com a minha mãe e supliquei-lhe que me deixasse mudar de dentista, porque não queria continuar a ser seguida pela mesma, porque não gostava e porque o medo que ganhei tinha sido com ela. A minha mãe lá me tentou convencer do contrário, mas acabei por ganhar, e lá mudei de dentista.

A primeira vez que entrei no novo dentista acho que tremia dos pés à cabeça e esse meu medo foi notório, estava mesmo muito nervosa. Lá me tentaram acalmar, naquele dia não iam mesmo fazer-me nada, só exames para estudarem o ponto da situação. O melhor não foi mesmo a primeira vez que lá fui, foi mesmo a segunda quando me disseram que a única solução era mesmo retirarem-me os dentes. Respirei umas mil vezes e convenci-me que tinha mesmo de ser para o meu bem. Mas deixaram-me à vontade e falaram bem comigo do procedimento, as razões de terem de o fazer, e deixaram-me falar um bocadinho sobre o que receio que tinha de o fazer.

A verdade é que custou a primeira vez, isto é, o primeiro dente que tirei custou-me horrores mesmo, na mesma semana fui quatro vezes ao dentista cheia de dores, mas a coisa lá foi ao sitio.

Hoje, no fim de quase 6 semanas de tratamento, o medo evaporou-se e foi a última vez nos próximos tempos que tive de marcar uma próxima consulta. Depois de 6 meses consegui ouvir “Então, hoje nem pisca os olhos! Já merece um rebuçado como as crianças!”. Ri-me, mas ri-me com uma pontinha muito grande orgulho, porque ganhei este medo nem sei como, não o sei explicar. E uma coisa tão estúpida e irrisório tornou-se numa grande coisa, significativa, porque estava a colocar a minha saúde em causa e estava a deixar esse medo tão pequeno tomar conta da minha saúde. Quando somos crianças acho normal e comum até termos medo de ir ao dentista, mas não podemos mesmo deixar esse medo perseguir-nos até uma idade adulta, que foi o que me aconteceu.

Saio destes 6 meses com a certeza que mudei e mudei para melhor, e consegui ultrapassar este medo e pode parecer pequeno, mas é tão grande que tinha de partilhar aqui, porque estou mesmo orgulhosa de mim.

 

Mais alguém com medo de ir ao dentista? Ou com outro medo qualquer que tenham ultrapassado?

 

 

 

 

 

9 mudardelinha

Comentar

Sigam-me noutro sítio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D