Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

Coisas (des)Interessantes

Não penses que o mundo, a vida ou o tempo, te vão devolver alguma coisa daquilo que fazes. Nem tens de pensar isso sequer! Simplesmente faz!

06
Jun16

Histórias engraçadas*

mudadelinha

 

Ainda antes de começarmos a namorar, antes mesmo de gostarmos um do outro, ele dizia a meio povo na brincadeira que comprava, por 30€, uma mulher que soubesse cozinhar, coser e limpar a casa. Ria-me a dizia-lhe que não ficava comigo, não porque não soubesse fazer essas coisas, mas porque sou preguiçosa para as fazer. Mal sabia que ia mesmo ficar com ele, mas não me comprou por 30€.

Bem... É costume trabalharmos juntos aos fins-de-semana, até porque foi no nosso local de trabalho que nos conhecemos, não a trabalhar, mas como amigos, apesar de para mim ser só um part-time e, de só ir aos fins-de-semana. Por norma, vou trabalhar de manhã e, ele só entra ás 13h, porque a minha hora de sair é às 20h e, ele ainda fica até á 01.00h. Trabalhamos num barzinho, mesmo à frente da praia, e como somos empregados de mesa, de balcão, da cozinha, somos obrigados a usar avental e a respectiva camisola. Posto isso e, tendo em conta ainda a dimensão daquilo, o sistema é de pré-pagamento aos fins-de-semanas, o que nos leva a andar com trocos no avental ou, então, na bandeja. Cada um opta por aquilo que lhe é mais prático. Como já não ia trabalhar à muito tempo, nem reparei que tinha o bolso do meu avental a descoser de um dos lados e, quando o usei a primeira vez não podia lá pôr os trocos, porque arriscava-me a que caíssem a qualquer momento. Pensei então que quando chegasse a casa e quando tivesse tempo ia tratar do assunto. A minha avó materna é costureira, por isso, pensei, que não devia ser muito difícil pegar numa agulha e numa linha e dar uns pontinhos no avental. Lembrei-me imediatamente, como é lógico, daquilo que ele espalhava!

 

Portanto, no fim-de-semana seguinte recebo uma mensagem no sábado à tarde, com a informação de que era para ir trabalhar no domingo. Muito bem, tinha então de tratar do avental, porque não queria ir trabalhar outra vez com ele assim! Imaginem a situação... Sabádo de madrugada, o ponteiro do relógio batia as 04.00h da manhã (mais ao menos), lá me lembrei do avental, daquilo que ele dizia, e pego na agulha e na linha.O quarto meio às escuras, porque tenho uma das lâmpadas do candeeiro fundidas, mas lá a forçar os olhos o avental parecia estar como novo. Avental cosido, assunto resolvido, no dia seguinte já me podia meter com ele e dizer-lhe que tinha uma namorada que sabia coser, para não se preocupar que um dia lhe cosia as peúgas se fosse preciso e, que já não se arranjavam mulheres assim!  Foi castigo... O maldito avental durou pouco mais de duas horas e começou a descoser novamente! É que nem deu tempo de ele chegar para lhe dizer... Quando ele chegou o avental já estava pior do que o que estava! Raios!

 

Já a chegar ao final da tarde, disse-lhe em tom de brincadeira: "Se soubesses, nem por 30€ me compravas! Cosi o avental propositamente para te dizer que sabia coser e o avental descoseu todo outra vez! Além do mais, fiquei triste porque eu sei coser!". Ele riu-se, deu-me um beijinho na testa e disse-me: "Comprava-te na mesma, só não era por 30€, era por mais!"

 

 

25
Abr14

25 de Abril

mudadelinha

Tenho 21 anos e, como é óbvio não vivi o 25 de Abril. Mas, em minha casa, quase toda a minha família esteve presente nesse dia que, para mim é um dos dias, se não o dia, mais importante da nossa história. Falei nesse dia várias vezes na disciplina de história e, no curso que estou, posso dizer que a Revolução dos Cravos modificou todo o nosso panorama jurídico, político, económico. Todos sabemos disso.

 

Mas, estou aqui para dizer, que como curiosa que sou, não me fico só pelos livros ou, pelas aulas. Ás vezes, gosto de perguntar aos meus avós a razão por toda a admiração por António Salazar, quando a nível social, estamos muito melhores agora, podemos falar quando queremos, podemos discutir no meio da rua, não temos de ter medo da polícia, não temos de nos preocupar que vamos ser torturados para confessar algum crime e, coisas afins. A maior parte das vezes, eles não me sabem explicar essas coisas e, dizem-me que só quem lá viveu e, que sabe. E, dizem-me melhor, dizem-me que apesar de na altura se revoltarem, hoje dão muito mais valor a aspectos, que "nós" possivelmente nunca vamos dar.

 

 

Eu gostava apenas de deixar aqui a mensagem ou de tentar transmitir pelo menos que é um erro não darmos valor a este dia e, esquecer-mo-nos do valor que ele tem. Não estou a dizer que "nós" não sabemos, mas há muitos que não sabem e, que pior que isso, falam sem saber. Isso revolta-me porque quando este dia chega e, já o disse o ano passado, tento pensar que o que se passou em 1974 só nos facilitou a nós.

 

 

25
Abr13

25 de Abril

mudadelinha

Este dia, para mim, não significa só o ideal da Liberdade. Vejo este dia como um dos dias mais importantes para Portugal, aliás para mim deveria sê-lo. Um bocadinho todos os anos, este dia perde a sua importância e o seu valor, devido á situação actual do país. Talvez daqui a uns dias anos este dia seja substituído por outro e, que esse próximo faça parte da nossa história.

 

Se hoje podemos falar abertamente, votar e opinar, podemos escolher a nossa profissão ou, podemos estudar conforme as nossas capacidades, devemos ver este dia como um marco. Se temos liberdade de expressão, manifestação e informação, muito o devemos a este dia. Se temos direito a um Sistema Nacional de Saúde, a um médico de família, e a outros inúmeros serviços, muito devemos agradecer a quem lutou por nós e, pelo nosso presente. Se vivemos numa democracia sem censura, sem milícias e, polícias secretas, sem torturas e espancamentos, este dia é o mais importante do país!

 

É cada vez mais triste ver as próximas gerações a não reconhecerem este dia, ou a não saberem o que nele aconteceu, a não reconhcerem a luta ou os nomes. 

 

História é sempre história, e nunca deixará de ser história. Por ser história, é que tem o seu valor, ou não seria história, por marcar e influenciar o presente ou o futuro.

 

 

 

Sigam-me noutro sítio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D